ARTIGO / NOTÍCIA

selecionado.

Adeus combate à corrupção

Adeus combate à corrupção

Ricardo Amorim

Rio de Janeiro, 10 de março de 2021.

Ricardo Amorim*

 

Fachin anulou condenações de Lula relacionadas à Lava Jato, considerando que 13ª Vara Federal de Curitiba não tinha competência para julgar casos do triplex do Guarujá, do sítio de Atibaia e do Instituto Lula.

Agora, os processos serão analisados pela Justiça Federal do Distrito Federal, à qual caberá dizer se os atos realizados nos três processos podem ou não ser validados e reaproveitados.

Em fevereiro, a força-tarefa da Lava-Jato foi extinta, acabando com a independência política no combate à corrupção. Não houve reação popular significativa. Agora, com a anulação das condenações de Lula e abertura da possibilidade de outras anulações, o país decreta, de vez, o fim do combate à corrupção. A menos que a Justiça Federal do Distrito Federal julgue rapidamente e mantenha ou endureça as condenações de Lula, o recado dado a todo e qualquer político de toda a esquerda até toda a direita brasileira será inequívoco: não há por que temer consequências de atos de corrupção. Ganharam os políticos e a corrupção; perderam os brasileiros.

*Economista e ganhador do prêmio iBest de Economia e Negócios

Compartilhe esta página nas suas redes sociais:

Outros artigos/notícias

Turmas Militares
Turmas Militares
Márcia Modesto

Está claro que os editores de dicionários desconhecem o verdadeiro significado do verbete aplicado aos alunos das escolas militares. Para nós, camaradas de Armas, turma é muito mais! Turma é identidade, é símbolo, é comunhão, é analogia.
Turma é… marca registrada!

Lula causa alerta em imprensa que vem lhe apoiando e Estadão faz editorial preocupante; VEJA
Lula causa alerta em imprensa que vem lhe apoiando e Estadão faz editorial preocupante; VEJA
Terra Brasil Notícias

Ao regurgitar preconceito contra paulistas do interior e contra o agronegócio, o petista reafirma sua natureza divisionista e revela que é ele quem ignora um Brasil que trabalha e produz.

A Revolução permanente e o ativismo judicial
A Revolução permanente e o ativismo judicial
Roberto Motta - Revista Oeste
Ao contrário do que pensa e prega essa elite, a noção de direitos humanos não começou na Revolução Francesa, apresentada como o ápice do desenvolvimento político e moral da humanidade.